Ênio Neves

No último natal, presenteei um amigo meu, diretor de uma empresa, com o livro “A Jornada”. Foi uma grata surpresa quando, após um tempo, ele escreveu-me contando suas impressões sobre a obra. Disse ele:

“Confesso que comecei a ler o livro sem muito interesse, mas algo me prendeu e fui seguindo na leitura. Acabei de ler e gostaria de expressar a minha gratidão pela oportunidade de conhecer uma outra realidade; desnuda, pura e sem heresias. O Ricardo Agreste se expressa com sabedoria e simplicidade, mostrando-nos um caminho muito interessante.”

Acredito que, semelhantemente, muitos tiveram a oportunidade de ver amigos e parentes sendo impactados pela história da “saga de homens e mulheres guiados à eternidade”.

– Ênio Neves

Faça um Comentário